Esses três erros te levam ao endividamento!

Esses três erros te levam ao endividamento!

A economia do país não anda das melhores, o número de endividados tem aumentado cada vez mais, contudo, existem alguns cuidados a serem tomados para não agravar essa situação e aumentar as dívidas que você já tem. A especialista em finanças, Nathalia Arcuri, preparou algumas dicas para evitar essa situação.

De acordo com Nathalia, um erro grave que leva ao endividamento é emprestar o cartão de crédito para outras pessoas. Ela parte do pressuposto que se a pessoa não tem limite suficiente é porque talvez ela não tenha condições de pagar e por isso, as instituições financeiras não liberaram este crédito. Neste caso, não há motivos para você arriscar e ter que pagar uma dívida que não é sua.

O mesmo serve para pedido de dinheiro emprestado. Vamos supor que você tenha um dinheiro investido e alguém que sabe disso, pede emprestado. Lembre-se que dinheiro investido é dinheiro comprometido, ele não está sobrando, sendo assim, você não precisa retirá-lo, seja para quem pedir.

Neste caso, Nathalia conta que o segredo para evitar esse tipo de situação é dizer não sem ofender. Por exemplo, se alguém te pede dinheiro, você diz que vai verificar a sua conta, ver o que pode fazer e depois retornar. Mesmo que você tenha o dinheiro, emprestar é um erro, se você quer ajudar alguém, é mais fácil dar e não contar que essa quantia retorne. Isso vale para amigos, família e principalmente pessoas que você não tem intimidade, afinal, um calote pode estremecer uma dessas relações para sempre. 

O segundo erro é pensar com a cabeça de devedor ao invés de investidor. Isso significa que a pessoa devedora sempre fará compromissos pensando em parcelas, se ela ganha R$1000,00, por exemplo, ela pensa que pode parcelar uma compra de R$500,00 em 10x e só pagará R$50,00 por mês. Contudo, a partir do momento que tem essa ideia, cria-se uma dívida.

É muito mais rentável pensar como investidor e retirar todo mês este R$50,00 do orçamento para investir e ao final de um ano, por exemplo, ter um retorno, além do dinheiro que você guardou, a parte que rendeu, do que perder tudo em parcelas.

Em se tratando de parcelas, o terceiro erro fala exatamente disso: parcelar coisas que não fazem nem economizar e nem ganhar dinheiro. A especialista em finanças recomenda que o parcelamento tenha um objetivo que seja não somente comprar uma blusa ou qualquer item que não tenha tanta necessidade e que se pode comprar à vista.

Só deve parcelar itens que te fazem economizar, por exemplo, se você vai mudar e precisa comprar uma geladeira, é válido parcelar, afinal, sem ela você não terá como armazenar alimentos, que podem estragar ou você terá que gastar mais dinheiro comendo fora de casa. Contudo, Nathalia alerta que a compra deve ser feita para suprir a necessidade, não precisa, por exemplo, comprar uma geladeira muito acima do valor que você pode pagar.

As parcelas também são interessantes se você vai ganhar dinheiro posteriormente, esse é o caso da educação. Se um curso específico for influenciar na sua carreira, é um investimento em conhecimento e fará com que você ganhe mais dinheiro no futuro, sendo assim você pode parcelar.

O recomendado é que as parcelas não ocupem mais de 20% do que você ganhe, levando em consideração todas as parcelas, de todos os cartões e outras formas, como carnês. Siga essas orientações e evite dívidas desnecessárias, principalmente em meio a uma crise. 

Engrenagem Virtual © 2020 | Todos os direitos reservados